01/09/2018

Vinícius recorda passagem pelo Atlético-PR


Há pouco mais de um ano, Vinícius defende as cores do Bahia. Antes de acertar com o Tricolor, o meia atuou pelo Atlético-PR, justamente o adversário do próximo domingo, em partida marcada para as 16h (de Brasília), na Arena da Baixada, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. A proximidade do jogo traz à tona várias lembranças, algumas delas doloridas.


Torcedor declarado do Atlético-PR, Vinícius chegou ao clube do coração no início de 2016 e seis meses depois, após não aceitar uma transferência para o Goiás, foi emprestado ao Náutico. Em 2017, retornou ao Furacão e se evolveu em uma confusão ao acusar dirigentes do clube de terem o ameaçado em uma reunião onde se discutia sua ida para o Avaí. O jogador aceitava a transferência, mas não abria mão de receber luvas contratuais atrasadas.

Segundo o boletim de ocorrência registrado à época na Polícia Civil, o vice-presidente Márcio Lara, e o gerente de mercado, Sidclei Menezes, teriam dito que o meia deveria tomar cuidado ao andar por Curitiba, além de vários xingamentos. O Atlético-PR reagiu após a divulgação do boletim de ocorrência, o afastou e negou as acusações. Vinícius entrou com uma ação contra o Furacão, em que reivindicava cerca de R$ 1 milhão.

Em situação conturbada, Vinícius passou seis meses sem jogar antes de acertar com o Bahia, em maio do ano passado. Nesta sexta-feira, pouco antes do último treino em Salvador antes da partida contra o Atlético-PR, o jogador falou sobre o reencontro. Se entrar em campo, será a primeira vez que ele atua na Arena da Baixada desde a saída do Furacão.

- Pra mim, especial, um jogo marcante. Vou jogar contra meu ex-clube. Não gosto de ficar voltando por tudo o que aconteceu lá. Mas jogar em casa, jogar contra um time que já falei que era torcedor quando pequeno, minha família é de Curitiba, torcedora do Atlético-PR, realizei meu sonho de jogar em meu time do coração, mas não tenho boas lembranças de lá. Hoje estou no Bahia, estou feliz aqui e espero chegar domingo e conseguir o triunfo.

Vinícius ficou fora da última partida do Bahia, contra o Ceará, por conta de um problema no joelho. O calendário apertado, com jogos a cada três dias, impossibilitou um tratamento adequado. Para domingo, ele garante estar pronto fisicamente para entrar em campo.

- Tive uma tendinite patelar que já vinha há algum tempo. Nessa sequência de jogo, uma hora ou outra a dor aumenta. Mas como falei, foi mais uma estratégia do Ederson para o jogo e pela sequência de jogos que vinha tendo. A gente sabia que a qualidade do gramado não era a melhor, que seria um jogo mais truncado. A estratégia dele foi essa. Mas estou apto a jogar. Se domingo ele optar por mim, vou estar feliz.

O jogo de domingo encerra a série de partidas fora de casa do Bahia. Nos últimos dias, o time baiano encarou Santos e Ceará como visitante. Vinícius sabe da força do Atlético-PR na Arena da Baixada, mas avisa que o objetivo tricolor é voltar para Salvador com pelo menos um ponto na bagagem.

- Sei da força que eles têm dentro de casa. É uma equipe que quando joga sob seus domínios usa a força da torcida para ir em cima do time adversário. É um jogo de seis pontos. A gente está um ponto acima deles, mas eles têm um jogo a menos. Um triunfo vai ser de suma importância. Mas a gente também está com o pensamento de que se não ganhar, não pode perder. A gente tem que estar sempre pontuando, vem de uma sequência de empates, mas esses empates deixaram sempre a gente e, posições boas. Claro que o Bahia nunca vai entrar para empatar.

O Bahia ocupa a 11ª colocação do Campeonato Brasileiro com 25 pontos, um a mais que o Atlético-PR, na 13ª posição. Os dois times brigam para se afastar da zona de rebaixamento e chegar na parte de cima da tabela de classificação.