13/06/2018

Jogadores do Vitoria acusam árbitro de má-fé e revelam diálogo no campo




Os jogadores do Vitória deixaram o gramado do Morumbi inconformados. Não pela derrota por 3x0 para o São Paulo, mas pela expulsão de Yago, aos 34 minutos do primeiro tempo. Para alguns rubro-negros, o árbitro Igor Benevenuto de Oliveira agiu de má-fé. 

Um dos mais irritados era o atacante Neilton, artilheiro do Vitória na temporada, com 18 gols. "Uma vergonha o juizão fazer uma palhaçada dessas, né? Não usou o mesmo critério com o Nenê. Se tivesse que expulsar, teria que ser os dois. Os próprios jogadores do São Paulo disseram que o juizão brincou no lance. Alguns juízes sofrem pressão de jogo assim e tendem para o mandante. O juizão não errou, ele teve má-fé mesmo, porque ele foi avisado pelo quarto árbitro e ignorou. Ele quer ser o protagonista do evento", bradou.
O jogador aproveitou ainda para negar que tenha recebido propostas para deixar o Vitória. "Meu procurador disse que estão falando isso, mas não chegou nada. Enquanto eu vestir a camisa do Vitória, vou honrar esse time", completou.
Quem também não escondeu a revolta com a arbitragem foi Rhayner, que acusou Igor Benevenuto de ter dito para o quarto árbitro "ficar na dele". "Foi má-fé. Não tem outro nome. Eu avisei ao juiz que Nenê também deu um tapa e ele ignorou. O árbitro que fica atrás do gol viu. Não existe critério para dar vermelho para um e amarelo para outro. Eu vi, ele falou para o quarto árbitro, na minha frente,: 'fica na sua'. São coisas do futebol que a gente não entende. Foi uma má-fé que acabou com a nossa equipe na partida", acusou em entrevista à Rádio Metrópole.
O coro foi engrossado pelo goleiro Elias, que questionou a função do árbitro da linha de fundo. "O árbitro ignorou o cara da linha de fundo, por isso todo mundo está revoltado com essa expulsão. O quarto árbitro nem foi questionado por ele. Tem que rever a função dele então, porque senão é desnecessário ter um cara na linha de fundo só para assistir o jogo, digamos assim", opinou.
Jeferson, que também estava chateado com a expulsão de Yago, falou sobre o sentimento ruim de ver o Vitória entrar na pausa para a Copa do Mundo da Rússia, que começa na quinta-feira (14), após uma derrota significativa. "Não adianta falar de arbitragem, não. Todo mundo viu o que aconteceu. É descansar e ver o que tem que fazer, focar no resto do campeonato. É muito complicado pegar essa folga tendo tomado três, mas não tem o que fazer", concluiu.
O Vitória só volta a campo no dia 18 de julho, quando enfrentará o Paraná, no Barradão.